Contraceptivos Injetáveis Mensais (CIM) - Pharmaceuticals


Contraceptivos Injetáveis Mensais (CIM)

Mecanismo de ação

Os injetáveis mensais apresentam três principais mecanismos de ação.

  1. Os hormônios depositam-se no local da injeção, sendo absorvidos lenta e gradativamente para a corrente sanguínea, chegando à hipófise e aos ovários, de forma a impedir a ovulação.
  2. Também fazem com que o muco do colo do útero torne-se mais espesso, impedindo a passagem dos espermatozoides.
  3. Como terceiro mecanismo de ação, impedem que o endométrio (revestimento interno do útero) esteja adequadamente preparado para uma gravidez.

Qual o método contraceptivo ideal para você?



Vantagens

  • São eficazes;
  • São seguros;
  • São discretos;
  • Representam uma boa opção, podendo ser usados inclusive na adolescência e por mulheres no final de sua vida reprodutiva. Seu uso pode se estender por muitos anos sob acompanhamento médico adequado;
  • São reversíveis. Quando houver desejo de gravidez, basta interromper o uso e a fertilidade será recuperada em 1 ou 2 meses;
  • Trazem benefícios ao ciclo menstrual. Diminuem ou eliminam as cólicas e outras dores menstruais;
  • Regularizam a menstruação e fazem com que o sangramento menstrual seja menos abundante e dure menos dias. Reduzem o risco da formação de cistos ovarianos entre 80 a 90%;
  • Protegem contra o aparecimento de Doença Inflamatória Pélvica (DIP), lembrando-se de que esta doença pode causar esterilidade;
  • Previnem contra o câncer do endométrio e dos ovários;
  • Diminuem a incidência de doença mamária benigna;
  • Reduzem o risco de desenvolvimento de miomas (tumores benignos do útero);
  • Diminuem o risco de anemia por deficiência de ferro;
  • Diminuem a ocorrência de efeitos colaterais gastrointestinais como náuseas e vômitos.

Desvantagens

  • Não protegem contra a AIDS e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). O uso dos preservativos (condom) deve ser associado aos injetáveis para a prevenção destas moléstias;
  • Podem levar a ocorrência de alterações do ciclo menstrual nos primeiros meses de uso;
  • Dores de cabeça.

Contra-indicações

Gravidez, transtornos graves da função hepática, antecedentes de icterícia idiopática gravídica ou prurido gestacional grave, síndrome de Dubin-Johnson, síndrome de Rotor, tumores do fígado atuais ou anteriores, processos tromboembólicos arteriais ou venosos ou antecedentes destes, bem como condições que aumentem a possibilidade de ocorrência desses transtornos, anemia falciforme, carcinoma de mama ou de endométrio ou antecedentes dos mesmos, diabetes grave com alterações vasculares, transtornos do metabolismo lipídico, antecedentes de herpes gravídico, presença de otosclerose ou história de deterioração da acuidade auditiva em gestações anteriores.

Nos casos abaixo relacionados requer-se cuidadosa vigilância médica:

  • Diabetes mellitus ou tendência a diabetes;
  • Hipertensão arterial;
  • Varizes;
  • Antecedentes de flebites;
  • Otosclerose;
  • Esclerose múltipla;
  • Epilepsia;
  • Porfiria;
  • Tetania;
  • Coréia menor.

Motivos para interrupção imediata

Deve-se evitar a aplicação de uma nova injeção se durante o tratamento ocorrerem, pela primeira vez, cefaleias do tipo enxaqueca, ou cefaleias com frequência e intensidade fora do habitual, perturbações repentinas da percepção (visuais, da audição, entre outras), primeiros sinais de tromboflebites ou tromboembolias (por exemplo, inchaço ou dores não habituais nas pernas, dores em pontada ao respirar ou tosse de origem desconhecida), sensação de dor e opressão no tórax, intervenções cirúrgicas já planejadas (6 semanas antes da data prevista), imobilização forçada (por exemplo, após acidentes). Em todos esses casos pode existir um risco maior de trombose.
Outros motivos para interrupção da medicação são:

  • Aparecimento de icterícia (cor amarelada da pele e/ou mucosas);
  • Hepatite;
  • Prurido generalizado;
  • Aumento da frequência de ataques epilépticos;
  • Acentuada elevação da pressão arteria;l
  • Gravidez.

Efeitos colaterais (ou indesejáveis)

Em casos raros podem ocorrer, cefaleias, distúrbios gástricos, náuseas, tensão mamária, variações de peso, alterações do desejo sexual (libido), bem como estados depressivos. Foram relatados casos isolados de amenorreias (ausência de sangramento menstrual) e sangramentos intermenstruais. Na presença de sangramentos intermenstruais intensos, persistentes e recorrentes, que não desapareçam espontaneamente, o medicamento deve ser suspenso para que se exclua alguma causa orgânica.
Após tratamentos prolongados pode aparecer, cloasma (manchas escuras na pele da face) em mulheres predispostas, que se acentuam com a exposição prolongada ao sol. Recomenda-se a mulheres com esta tendência, que não se exponham durante muito tempo aos raios solares. Em casos isolados, diminuição da tolerância frente a lentes de contato tem sido observada.

Índice de eficácia

Quando corretamente utilizado, também é considerado um dos métodos contraceptivos reversíveis mais seguros. Seu índice de eficácia chega a 99%.

Prescrição médica

É necessária. O ginecologista o prescreverá uma vez que tenha examinado a mulher e avaliado seu estado de saúde.

Saiba mais - Gineco

L.BR.WH.2012-07-23.0828


Ferramentas
.
Guia CLP
Gineco

http://pharma.bayer.com.br/pt/areas-terapeuticas/saude-de-a-a-z/contracepcao/metodos-hormonais/contraceptivos-injetaveis-mensais/index.php

Copyright © Bayer Pharma AG