Breve História da Contracepção - Pharmaceuticals


Breve História da Contracepção

As primeiras tentativas

A anticoncepção tem uma história milenar. Hipócrates (460-377 a.C.(1)) já sabia que a semente da cenoura selvagem era capaz de prevenir a gravidez. No mesmo período, Aristóteles mencionou a utilização da Mentha Pulegium como anticoncepcional, no ano 421 A.C(2). O uso de anticoncepcionais feitos de plantas naturais parece ter sido tão difundido na região do Mediterrâneo, que no século II A.C., Políbio escreveu que as "famílias gregas estavam limitando-se a ter apenas um ou dois filhos(1)."

Os antigos egípcios também utilizavam tampões vaginais ou tampas feitas de excremento de crocodilo, linho e folhas comprimidas(2).

A anticoncepção masculina também era praticada na antiguidade. No século I A.C. Dioscórides afirmou que tomar extratos de uma planta considerada variação da madressilva (Lonicera periclymenum) durante 36 dias, podia causar a esterilidade masculina.(1)

Assim que foi estabelecida a relação do sêmen com a gravidez. O método anticoncepcional masculino mais conhecido era o coito interrompido, método citado na Gênesis relacionando Onân, que provocou a ira de Deus ao derramar suas sementes no chão.

O primeiro preservativo

Acredita-se que o preservativo remonte aos tempos da Roma antiga, quando eram utilizadas bexigas de animais para proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis.
Os envoltórios ou preservativos de linho foram descritos em 1564 pelo anatomista italiano Falópio. No século XVIII, pedaços das vísceras de animais eram utilizadas para produzir os chamados "preservativos de pele".

A borracha vulcanizada foi inventada em 1844, impulsionando a fabricação de preservativos mais aceitáveis e baratos que os preservativos de crepe de borracha.(3) O desenvolvimento do poliuretano facilitou o lançamento do primeiro preservativo feminino em 1992.

O diafragma

A ideia do diafragma moderno surgiu com um alemão, Friedrich Adolf Wilde, que sugeriu que fosse feita impressão em cera da cérvice de cada mulher. A partir desse molde seria confeccionada barreira anticoncepcional de borracha. Somente em 1870, o Dr. Mesinga desenvolveu o diafragma de borracha fina com um aro circular endurecido para cobrir a saída da vagina.(2)

Possivelmente, o primeiro dispositivo intra-uterino (DIU) foi usado em pacientes por Hipócrates há mais de 2500 anos, que inseria objetos no útero com a ajuda de tubo de chumbo. Entretanto, o primeiro DIU clinicamente aceito, a Alça de Lippes, só foi amplamente adotado em 1962.(3)

Atualmente, existem dispositivos de cobre em diferentes formatos, entre os quais o mais popular é o em forma de "T".

O nascimento da pílula

Em 1921, Haberlandt provocou a infertilidade temporária em coelhas nas quais havia implantado ovários retirados de outras coelhas. Ele sugeriu que os extratos de ovários poderiam ser anticoncepcionais eficientes.

A noretisterona, um hormônio sintético semelhante à progesterona (daí ser chamado de progestógeno) foi sintetizada em 1950 por Djerassi, a partir da diosgenina, planta derivada da batata-doce mexicana com propriedades esteroidais.

Outro investigador, Colton, produziu outro progestógeno, o noretinodrel, que foi combinado a estrogênio sintético, o mestranol na composição da primeira pílula anticoncepcional combinada (contraceptivo oral combinado - COC), em 1960.(3) Foi Gregory Pincus quem realizou a maioria dos estudos com os primeiros COCs, tornando-se o médico conhecido como "o pai da pílula". A primeira pílula que continha somente o progestógeno (depois chamada de Minipílula) foi lançada apenas oito anos mais tarde.

O implante

A inovação contraceptiva seguinte foi pequeno implante que continha o hormônio levonorgestrel. Esse implante deve ser inserido sob a pele da face interna do antebraço, tendo sido projetado para ser eficaz por cinco anos. Entretanto, sua inserção e extração requerem pessoal médico treinado, o que limita seu uso. O hormônio é liberado na musculatura e então passa à corrente sanguínea, podendo circular por todo o organismo e provocar alguns efeitos adversos.

O endoceptivo

O endoceptivo (contraceptivo endógeno - sistema de liberação intra-uterino) desenvolvido e patenteado pelo grupo Schering, inaugura uma fase inovadora na contracepção feminina. Consiste basicamente em um sistema que é inserido no útero da mulher e libera o hormônio levonorgestrel gradativamente em doses idealmente mais baixas, por um período de cinco anos. O método é altamente eficaz e totalmente reversível, sendo especialmente indicado para mulheres com filhos que desejam adiar uma nova gravidez por um longo prazo.

Referências Bibliográficas

1. The Prehistory of Sex, Timothy Taylor (4th Ed, 1996)
2. Sex in History, Reay Tannahill (Cardinal 1989)
3 . Contraception, Your Questions Answered. John Guillebaud (Churchill Livingstone 1989)

Métodos Contraceptivos

Mais informações sobre este tópico:

L.BR.WH.2012-07-23.0828


Ferramentas
.
Guia CLP
Gineco

http://pharma.bayer.com.br/pt/areas-terapeuticas/saude-de-a-a-z/contracepcao/metodos-contraceptivos/historia-contracepcao/index.php

Copyright © Bayer Pharma AG